Walter Miranda
Artista Plástico

Comentários sobre o Projeto Seattle

1996
http://www.fwmartes.com.br/imprensa/imagens/m16_u54_01042018-20-38-21_baixa.jpg
Novembro/1998 Flávia Venturoli de Miranda

Em 20 anos de carreira artística, Walter Miranda, sempre se ateve a questões filosóficas e conceituais, tanto sociais quanto globais. Nesta nova série denominada, PROJETO SEATTLE: EXALTAÇÃO A GAIA, o artista usa como tema o planeta Terra, através da livre representação, pictórica da carta resposta do chefe indígena Seattle à proposta do presidente norte americano, Franklin Pearce, para a compra de terras indígenas em troca de uma reserva em 1.855. O texto é uma obra de grande beleza, poesia e filosofia, que profetiza a situação de degradação ecológica da Terra, sendo uma literatura ainda pertinente nos dias de hoje.

Gaia em grego, Terra em latim, era uma das divindades primordiais da teogonia grega, após o caos. Dela principia tudo, desde suas forças naturais que mitologicamente são representadas por seus filhos, até criaturas que sobre ela vivem e dela dependem, animais e plantas. Nesse sentido, o tema, Exaltação a Gaia, toma sentido quando percebemos a presença da imagem do planeta em todas as obras expostas, em circunstâncias conceitualmente distintas.

Walter produz composições construtivistas através do uso da Relação Áurea, que é uma relação matemática observada em várias criações da natureza e já encontrada nos estudos matemáticos dos povos da Antiguidade. Ao mesmo tempo elimina a rigidez geométrica das composições criando uma relação orgânica dos espaços através da espiral logarítmica. As conjunções das linhas compositivas propiciam formas figurativas que são integradas ao tema pelo artista de maneira estilizada ou realista.

Utilizando a tradicional técnica da pintura a óleo, obtém texturas e efeitos visuais peculiares através de sobreposições de tinta em camadas espirradas, enrugadas e/ou pinceladas abstratas que são aplicadas tanto ao fundo quanto às figuras em alto relevo, que foram desenhadas e recortadas em papelão e coladas nos quadros durante o processo da composição.

Através da incorporação aos quadros de placas de circuito impresso de computador (algumas vezes serradas e esmerilhadas para obter formas geométricas e figurativas tais como locomotivas, arvoredos, figuras humanas, etc.), chips, baterias e vários elementos do nosso cotidiano tecnológico, além de elementos da natureza, como sementes, folhas, terra, cinzas, etc., Walter, ilustra de maneira simbólica a dicotomia atual de natureza versus uso inconseqüente da tecnologia, provocando reflexões sobre a questão do meio ambiente, do papel do homem no planeta e da responsabilidade sobre esta herança ecológica, como observamos na obra onde ele incorpora um vidro com água pura (retirada da nascente do Tietê) e outro com água poluída (retirada do mesmo Tietê, porém dentro da cidade de São Paulo). Além disso, repetindo algumas imagens como, por exemplo, a Terra, as bailarinas, e crianças, entre outros elementos figurativos, o artista cria um repertório que dá ênfase a um universo de significados que não visa transmitir mensagens decodificadas ao espectador, já que a utilização desses elementos como detalhes, obriga o espectador a examinar as relações metonímicas de cada elemento provocando-lhe questionamentos, para que ele tire suas próprias conclusões sobre o tema abordado. O resultado é a cumplicidade ou a negação, pois ambas formam os dois lados de uma moeda, ou seja, um tipo de envolvimento fechando, dessa forma, o círculo.

O artista, portanto, procura unir a razão ao sentido, base de seu processo criativo. O resultado é um trabalho totalmente novo que, embora apoiado nas técnicas tradicionais, visa sua superação e transformação e, por isso, tem raízes profundas na história, cultura e linguagem artística (como observou Ferreira Gullar a respeito da poesia), onde esse estilo é identificável pela concepção compositiva, sendo a técnica (variável) seu mero instrumento. Como escreveu Kandinsky: "O artista deve ter algo a dizer porque seu dever não é dominar a forma e sim, adequá-la a um conteúdo".

Walter Miranda
Ateliê Oficina FWM de Artes
Todos os Direitos Reservados.